INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA POSITIVA

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA POSITIVA

Autor: Paulo Antônio Almeida – Psicólogo e Coach – @coachpauloalmeida

coachpauloantonioalmeida@gmail.com

#Há duas décadas, um grupo de Psicólogos americanos, liderados por Martin Seligman (Seligman, Steen, Park, & Peterson, 2005) fundou uma nova corrente, a Psicologia Positiva. Esse novo ramo da Psicologia, vem produzindo teorias, métodos e técnicas para melhorar nossa qualidade de vida. Seu fundador, Dr. Marting Seligman (https://www.authentichappiness.sas.upenn.edu/faculty-profile/profile-dr-martin-seligman) define a felicidade como alicerçada no tripé: emoção positiva, envolvimento e senso de propósito.

#O primeiro elemento “a emoção positiva é o que sentimos como por exemplo: prazer, extase, calor, conforto e afins. Uma vida inteira direcionada com sucesso em torno desse elemento, eu chamo de “vida agradavel”. (Seligman, 2011). De acordo com Seligman, no livro Felicidade Autêntica, podemos escolher ter emoções positivas, como por exemplo, receber uma massagem nas costas para aliviar as tensões.


#O segundo elemento, engajamento, está relacionado com o conceito de FLOW criado por
MIHALY CSIKSZENTMIHALYI (Livro: Fluir de Mihaly Csikszentmihalyi  (pronuncie “txicsentmirrái”) Mihaly Csikszentmihalyi  (Here’s a fun trick to remember his name: “Me high? Cheeks send me high!”), que significa um estado de total absorção na atividade que está sendo realizada. Essa absorção na atividade é representada pela sensação de que “nada mais importa”; “por uma intensa concentração e não atenção aos problemas ou outros acontecimentos”; “há uma perda de si mesmo, e a sensação de tempo é distorcida”.

#O terceiro elemento, senso de propósito, significa “ pertencer ou servir a algo que é maior que o eu “. O psicólogo Victor Frankl, no livro “Em busca de Sentido”, descreve sua experiência no campo de concentração nazista, e seus estudos sobre os seres humanos sequestrados pelo nazismo que conseguiram sobreviver a partir de um significado maior em suas vidas.

Os estudos da Psicologia Positiva acerca das virtudes humanas fundamentam-se em textos dos filósofos gregos e contemporâneos, como também nos escritos existentes nas diversas religiões como o catolicismo, protestantismo, budismo dentre outras.

Um dos focos de estudo da Psicologia Positiva é estudar o impacto das forças de caráter em nossa qualidade de vida. No site www.viacharacter.org você poderá realizar um teste sobre suas forças de caráter, ou seja, identificá-las, reconhecer a ordem de prioridade em sua vida, e assim possibilitar a reflexão sobre utilizar ainda mais suas fortalezas a seu favor.

Segundo Seligman, “na teoria da Felicidade Autêntica, as forças e virtudes – bondade, inteligência social, humor, coragem, integridade e afins (são 24 delas) – são o suporte para o engajamento. Você entra em fluxo quando seus pontos fortes mais altos são implantados para atender aos maiores desafios que surgem em seu caminho. “

Seligman amplia sua teoria sobre a Felicidade para o conceito de Bem Estar que passa a ser o foco principal da Psicologia Positiva. ( https://www.authentichappiness.sas.upenn.edu/learn/wellbeing)

#A teoria do bem-estar abrange cinco elementos mensuráveis (PERMA) que funcionam em conjunto, e não isoladamente e que são:

P = Positive Emotions Emoção positiva

E = Engajement = Engajamento

R= Relationships = Relacionamentos

M = Meaning = Significado e finalidade

A = Achievements = Realização

Psicologia Positiva

Na teoria do bem-estar, essas vinte e quatro forças sustentam todos os cinco elementos, não apenas o engajamento: implantar suas forças mais elevadas leva a mais emoções positivas, mais significado, mais realizações e melhores relacionamentos.

Inúmeros pesquisadores ao redor do mundo (referências ao final do artigo), vem desenvolvendo estudos e pesquisas sobre a Psicologia Positiva e como suas teorias sobre a gratidão, o perdão, otimismo, o relacionamento social, felicidade dentre outras, podem auxiliar o ser humano a se tornar mais feliz, e com melhor saúde e bem estar.

As inovações tecnológicas permitiram o avanço do conhecimento da ciência em todas as áreas, e particularmente na neurociência, e possibilitaram o mapeamento cerebral mais apurado. Micro eletrodos podem ser colocados no cérebro de animais e humanos para se investigar as mudanças neurológicas que ocorrem em nosso sistema neurológico.

No livro O Cérebro que se Transforma, o autor Norman Doidge, relata inúmeros casos bem sucedidos de neurocientistas que conseguiram reverter a cegueira, ou dificuldades com o equilíbrio e a locomoção sendo curadas por novas técnicas da neurociência.

A partir de 1998, (Eriksson e col., 1998) a neurociência descobre que o hipocampo, região responsável por uma importante parte do processamento de nossas emoções pode criar novas conexões neurológicas e novos neurônios, inclusive no adulto e idoso. Antes de 1998, acreditava-se que a neurogênese ocorria apenas nas crianças e adolescentes.

Como essa nova ferramenta de mapeamento cerebral os cientistas tem comprovado o fenômeno da neuroplasticidade, que significa a flexibilidade do nosso sistema neurológico em criar novas conexões e novos espaços funcionais.

Os experimentos com animais e humanos demonstram que áreas do cérebro responsáveis por exemplo pela audição, no caso de uma surdez, podem aprender a serem responsáveis por outras funções neurológicas.

A neuroplasticidade cerebral nos auxilia a compreender como as teorias e métodos da Psicologia Positiva atuam no cérebro criando novas formas de compreensão e apreensão da realidade.

O autor Shaw Anchor no livro “O Jeito Harvard de Ser Feliz”, descreve sobre o Efeito Tetris no cérebro e como podemos aprender a suar esse efeito de uma forma positiva. O Efeito Tétris diz respeito ao fenômeno que ocorre em nossa mente, quando estamos focados em uma mesma atividade durante um longo período de tempo. O nome Tétris vem do jogo de computador onde o jogador busca encaixar várias peças de tamanhos diferentes dentro dos respectivos recipientes.

O autor descreve um um estudo conduzido pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Harvard, os pesquisadores pagaram 27 pessoas para que passassem várias horas por dia jogando Tetris, durante três dias. O objetivo foi verificar o impacto dessa ação no cérebro. Ocorreu que mesmo depois do experimento ter sido realizado, os alunos continuavam a enxergar no ambiente figuras geométricas similares aquelas contidas no Jogo Tétris. Por exemplo, olhavam para um prédio e começavam a enxergar retângulos e figuras geométricas, e a pensar como e onde poderiam “encaixar” os prédios.

Ou seja, o cérebro desses alunos foi condicionado a ver imagens retangulares, e demoraram a sair desse padrão. O autor Shawn Anchor propõe que podemos realizar a mesma estratégia focando na visão positiva. O desenvolvimento de uma visão positiva depende da nossa disponibilidade em treinar nosso cérebro a enxergar o positivo, mesmo nas adversidades. Assim, podemos realizar o Efeito Tétris positivo.

Treinar nossa mente para focar na percepção positiva dos eventos é uma missão da Psicologia Positiva. A nossa percepção dos acontecimentos pode ser transformada. Podemos nos treinar a ter uma visão otimista da realidade e assim gerar soluções criativas para os problemas.

Os estudos da Psicologia Positiva demonstram que uma mente treinada em focar nos aspectos positivos possui maiores estímulos para buscar alternativas e inovações para a solução dos problemas.

Para Anchor, a felicidade não vem com o sucesso, mas é o sucesso que gira em torno da felicidade. Ou seja, a medida que melhoramos nosso bem estar e buscamos melhorar nossos sentimentos de felicidade, desenvolvemos saúde e disposição para a criação de novos caminhos e novas alternativas de vida tanto pessoal quanto profissional.

Os estudos científicos (Lyubomirsky, S., Sheldon, K. M., & Schkade, D. ,2005) da Psicologia Positiva recomendam ações práticas para desenvolvermos e ampliarmos nosso bem estar, como por exemplo: Escrever 3 coisas que você é grato todos os dias; Fazer um diário sobre uma experiência positiva todos os dias; praticar exercícios físicos aeróbicos; meditar e praticar atos de bondade. Os estudos também sugerem que aumentar a felicidade através dessas atividades podem conduzir a múltiplos efeitos favoráveis à saúde, trabalho e relacionamentos (, Fredrickson, Cohn, Coffey, Pek, & Finkel, 2008).

Referencias

American Psychiatric Association. (1994). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (4th ed.). Washington, DC: Author.

Aspinwall, L. G., & Staudinger, U. M. (Eds.). (2003). A psychology of human strengths: Fundamental questions and future directions for a positive psychology. Washington, DC: American Psychological Association.

Beck, A. T., Ward, C. H., Mendelson, M. N., Mock, J., & Erbaugh, J. (1961). An inventory for measuring depression. Archives of General Psychiatry, 4, 561–571. Bok, S. (1995). Common values. Columbia: University of Missouri Press.

Brickman, P., & Campbell, D. T. (1971). Hedonic relativism and planning the good society. In M. H. Appley (Ed.), Adaptationlevel theory (pp. 287–305). New York: Academic Press.

Cameron, K. S., Dutton, J. E., & Quinn, R. E. (Eds.). (2003). Positive organizational scholarship: Foundations of a new discipline. San Francisco: Berrett-Koehler.

Dahlsgaard, K., Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (in press). Shared virtue: The convergence of valued human strengths across culture and history. Review of General Psychology.

Deci, E. L., & Ryan, R. M. (1985). Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum Press.

Easterbrook (2003). The progress paradox: How life gets better while people feel worse. New York: Random House.

Erikson, E. (1963). Childhood and society (2nd ed.). New York: Norton.

Erikson, E. (1982). The life cycle completed. New York: Norton.

Fordyce, M. W. (1977). Development of a program to increase personal happiness. Journal of Counseling Psychology, 24, 511–520.

Fordyce, M. W. (1983). A program to increase happiness: Further studies. Journal of Counseling Psychology, 30, 483–498.

Frank, J. (1973). Persuasion and healing: A comparative study of psychotherapy (2nd ed.). Baltimore: Johns Hopkins University Press.

Gardner, H., Csikszentmihalyi, M., & Damon, W. (2001). Good work: When excellence and ethics meet. New York: Basic Books

Gosling, S. D., Vazire, S., Srivastava, S., & John, O. P. (2004). Should we trust Webbased studies? A comparative analysis of six preconceptions about Internet questionnaires. American Psychologist, 59, 93–104.

Jahoda, M. (1958). Current concepts of positive mental health. New York: Basic Books.

Kahneman, D. (1999). Objective happiness. In D.

Kahneman, E. Diener, & N. Schwarz (Eds.), Well-being: The foundations of hedonic psychology (pp. 3–25). New York: Russell Sage Foundation.

Kahneman, D., Diener, E., & Schwarz, N. (Eds.). (1999). Well-being: The foundations of hedonic psychology. New York: Russell Sage Foundation.

Keyes, C. L. M., & Haidt, J. (Eds.). (2003). Flourishing: Positive psychology and the life well lived. Washington DC: American Psychological Association.

Linley, P. A., & Joseph, S. (Eds.). (2004). Positive psychology in practice. Hoboken, NJ: Wiley.

Lopez, S. J., & Snyder, C. R. (Eds.). (2004). Positive psychological assessment: A handbook of models and measures. Washington, DC: American Psychological Association.

Lykken, D., & Tellegen, A. (1996). Happiness is a stochastic phenomenon. Psychological Science, 7, 186–189.

Lyubomirsky, S., King, L. A., & Diener, E. (in press). The benefits and costs of frequent positive affect: Does happiness lead to success? Psychological Bulletin. Lyubomirsky, S., & Lepper, H. S. (1999). A measure of subjective happiness: Preliminary reliability and construct validation. Social Indicators Research, 46, 137–155.

Lyubomirsky, S., Sheldon, K. M., & Schkade, D. (in press). Pursuing happiness: The architecture of sustainable change. Review of General Psychology.

Maslow, A. H. (1954). Motivation and personality. New York: Harper & Row.

Maslow, A. H. (1962). Toward a psychology of being. Princeton, NJ: Van Nostrand.

Murray, C. (2003). Human accomplishment: The pursuit of excellence in the arts and sciences, 800 B. C. to 1950. New York: HarperCollins.

Ong, A. D., & van Dulmen, M. (Eds.). (in press). Handbook of methods in positive psychology. New York: Oxford University Press.

Park, N., & Peterson, C. (in press-a). Assess- ing strengths of character among adolescents: The development and validation of the Values in Action Inventory of Strengths for Youth. Journal of Adolescence.

Park, N., & Peterson, C. (in press-b). The cultivation of character strengths. In M. Ferrari & G. Poworowski (Eds.), Teaching for wisdom. Mahwah, NJ: Erlbaum.

Park, N., Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2004). Strengths of character and wellbeing. Journal of Social and Clinical Psychology, 23, 603–619.

ark, N.,

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2005a). Character strengths in forty nations and fifty states. Unpublished manuscript, University of Rhode Island. Park, N.,

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2005b). Strengths of character and wellbeing among youth. Unpublished manuscript, University of Rhode Island. Peterson, C., & Park, N. (2003). Positive psychology as the evenhanded positive psychologist views it. Psychological Inquiry, 14, 141–146.

Peterson, C., Park, N., & Seligman, M. E. P. (2005a). Assessment of character strengths. In G. P. Koocher, J. C. Norcross, & S. S. Hill III (Eds.), Psychologists’ desk reference (2nd ed., pp. 93–98). New York: Oxford University Press.

Peterson, C., Park, N., & Seligman, M. E. (2005b). Orientations to happiness and life satisfaction: The full life versus the empty life. Journal of Happiness Studies, 6, 25–41.

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2004). Character strengths and virtues: A handbook and classification. Washington, DC: American Psychological Association.

Prochaska, J. O., DiClemente, C., Velicer, W. F., & Rossi, J. S. (1993). Standardized, individualized, interactive, and personalized self-help programs for smoking cessation. Health Psychology, 12, 399–405.

Radloff, L. S. (1977). The CES-D Scale: A self-report depression scale for research in the general population. Applied Psychological Measurement, 1, 385–401.

Rogers, C. R. (1951). Client-centered therapy: Its current practice, implications, and theory. Boston: Houghton Mifflin.

Ryff, C. D., & Singer, B. (1996). Psychological well-being: Meaning, measurement, and implications for psychotherapy research. Psychotherapy and Psychosomatics, 65, 14–23.

Seligman, M. E. P. (2002). Authentic happiness. New York: Free Press.

Seligman, M. E. P., & Csikszentmihalyi, M. (Eds.). (2000). Positive psychology [Special issue] American Psychologist, 55(1).

Snyder, C. R., & Lopez, S. J. (Eds.). (2002). Handbook of positive psychology. New York: Oxford University Press.

Vaillant, G. E. (1977). Adaptation to life. Boston: Little, Brown.

Vaillant, G. E. (2000). Aging well. Boston: Little, Brown.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *