Como intensificar a satisfação nas experiências positivas

CONSUMO INTERROMPIDO:

ADAPTAÇÃO E A INTERRUPÇÃO DA EXPERIÊNCIA DE PRAZER

Leif D. Nelson * Tom Meyvis New York University
“Vaga dupla no Curso de Psicologia Positiva
Imagine um paciente se preparando para 30 minutos de fisioterapia dolorosa
e lhe oferecem a oportunidade de fazer uma pequena pausa no meio da sessão.
Será que o paciente aceitar a oferta e terminar a sessão
ou ele preferirá renunciar ao intervalo?
E se ele faz a pausa, vai tornar a sessão mais ou menos dolorosa?
 Agora imagine um cliente que está prestes a receber uma massagem relaxante de 30 minutos e é oferecida a oportunidade de fazer uma pequena pausa no meio da massagem.
Ele vai preferir terminar a sessão ou ele preferirá renunciar ao intervalo?
E se ele fizer a pausa, vai fazer a massagem mais ou menos prazerosa?
Vaga dupla no Curso de Psicologia Positiva
 Em cada cenário, um provedor de serviços
oferece ao consumidor a oportunidade de interromper uma experiência afetiva.
 Para resolver a questão, e talvez mais essencial,
vamos contar com dois pressupostos críticos: primeiro,
que os consumidores se adaptam a muitas experiências e,
segundo, que quebras interrompem esse processo de adaptação.
Juntas, essas suposições implicam que as quebras podem intensificar
experiências afetivas.
Vaga dupla no Curso de Psicologia Positiva
Propomos, portanto, que, dentro de certos limites,
os consumidores devem inserir intervalos em experiências positivas,
mas não em experiências negativas”.
Abraços,
Paulo.
P.S.
Vaga dupla no Curso de Psicologia Positiva

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA POSITIVA

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA POSITIVA

Autor: Paulo Antônio Almeida – Psicólogo e Coach – @coachpauloalmeida

coachpauloantonioalmeida@gmail.com

#Há duas décadas, um grupo de Psicólogos americanos, liderados por Martin Seligman (Seligman, Steen, Park, & Peterson, 2005) fundou uma nova corrente, a Psicologia Positiva. Esse novo ramo da Psicologia, vem produzindo teorias, métodos e técnicas para melhorar nossa qualidade de vida. Seu fundador, Dr. Marting Seligman (https://www.authentichappiness.sas.upenn.edu/faculty-profile/profile-dr-martin-seligman) define a felicidade como alicerçada no tripé: emoção positiva, envolvimento e senso de propósito.

#O primeiro elemento “a emoção positiva é o que sentimos como por exemplo: prazer, extase, calor, conforto e afins. Uma vida inteira direcionada com sucesso em torno desse elemento, eu chamo de “vida agradavel”. (Seligman, 2011). De acordo com Seligman, no livro Felicidade Autêntica, podemos escolher ter emoções positivas, como por exemplo, receber uma massagem nas costas para aliviar as tensões.


#O segundo elemento, engajamento, está relacionado com o conceito de FLOW criado por
MIHALY CSIKSZENTMIHALYI (Livro: Fluir de Mihaly Csikszentmihalyi  (pronuncie “txicsentmirrái”) Mihaly Csikszentmihalyi  (Here’s a fun trick to remember his name: “Me high? Cheeks send me high!”), que significa um estado de total absorção na atividade que está sendo realizada. Essa absorção na atividade é representada pela sensação de que “nada mais importa”; “por uma intensa concentração e não atenção aos problemas ou outros acontecimentos”; “há uma perda de si mesmo, e a sensação de tempo é distorcida”.

#O terceiro elemento, senso de propósito, significa “ pertencer ou servir a algo que é maior que o eu “. O psicólogo Victor Frankl, no livro “Em busca de Sentido”, descreve sua experiência no campo de concentração nazista, e seus estudos sobre os seres humanos sequestrados pelo nazismo que conseguiram sobreviver a partir de um significado maior em suas vidas.

Os estudos da Psicologia Positiva acerca das virtudes humanas fundamentam-se em textos dos filósofos gregos e contemporâneos, como também nos escritos existentes nas diversas religiões como o catolicismo, protestantismo, budismo dentre outras.

Um dos focos de estudo da Psicologia Positiva é estudar o impacto das forças de caráter em nossa qualidade de vida. No site www.viacharacter.org você poderá realizar um teste sobre suas forças de caráter, ou seja, identificá-las, reconhecer a ordem de prioridade em sua vida, e assim possibilitar a reflexão sobre utilizar ainda mais suas fortalezas a seu favor.

Segundo Seligman, “na teoria da Felicidade Autêntica, as forças e virtudes – bondade, inteligência social, humor, coragem, integridade e afins (são 24 delas) – são o suporte para o engajamento. Você entra em fluxo quando seus pontos fortes mais altos são implantados para atender aos maiores desafios que surgem em seu caminho. “

Seligman amplia sua teoria sobre a Felicidade para o conceito de Bem Estar que passa a ser o foco principal da Psicologia Positiva. ( https://www.authentichappiness.sas.upenn.edu/learn/wellbeing)

#A teoria do bem-estar abrange cinco elementos mensuráveis (PERMA) que funcionam em conjunto, e não isoladamente e que são:

P = Positive Emotions Emoção positiva

E = Engajement = Engajamento

R= Relationships = Relacionamentos

M = Meaning = Significado e finalidade

A = Achievements = Realização

Psicologia Positiva

Na teoria do bem-estar, essas vinte e quatro forças sustentam todos os cinco elementos, não apenas o engajamento: implantar suas forças mais elevadas leva a mais emoções positivas, mais significado, mais realizações e melhores relacionamentos.

Inúmeros pesquisadores ao redor do mundo (referências ao final do artigo), vem desenvolvendo estudos e pesquisas sobre a Psicologia Positiva e como suas teorias sobre a gratidão, o perdão, otimismo, o relacionamento social, felicidade dentre outras, podem auxiliar o ser humano a se tornar mais feliz, e com melhor saúde e bem estar.

As inovações tecnológicas permitiram o avanço do conhecimento da ciência em todas as áreas, e particularmente na neurociência, e possibilitaram o mapeamento cerebral mais apurado. Micro eletrodos podem ser colocados no cérebro de animais e humanos para se investigar as mudanças neurológicas que ocorrem em nosso sistema neurológico.

No livro O Cérebro que se Transforma, o autor Norman Doidge, relata inúmeros casos bem sucedidos de neurocientistas que conseguiram reverter a cegueira, ou dificuldades com o equilíbrio e a locomoção sendo curadas por novas técnicas da neurociência.

A partir de 1998, (Eriksson e col., 1998) a neurociência descobre que o hipocampo, região responsável por uma importante parte do processamento de nossas emoções pode criar novas conexões neurológicas e novos neurônios, inclusive no adulto e idoso. Antes de 1998, acreditava-se que a neurogênese ocorria apenas nas crianças e adolescentes.

Como essa nova ferramenta de mapeamento cerebral os cientistas tem comprovado o fenômeno da neuroplasticidade, que significa a flexibilidade do nosso sistema neurológico em criar novas conexões e novos espaços funcionais.

Os experimentos com animais e humanos demonstram que áreas do cérebro responsáveis por exemplo pela audição, no caso de uma surdez, podem aprender a serem responsáveis por outras funções neurológicas.

A neuroplasticidade cerebral nos auxilia a compreender como as teorias e métodos da Psicologia Positiva atuam no cérebro criando novas formas de compreensão e apreensão da realidade.

O autor Shaw Anchor no livro “O Jeito Harvard de Ser Feliz”, descreve sobre o Efeito Tetris no cérebro e como podemos aprender a suar esse efeito de uma forma positiva. O Efeito Tétris diz respeito ao fenômeno que ocorre em nossa mente, quando estamos focados em uma mesma atividade durante um longo período de tempo. O nome Tétris vem do jogo de computador onde o jogador busca encaixar várias peças de tamanhos diferentes dentro dos respectivos recipientes.

O autor descreve um um estudo conduzido pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Harvard, os pesquisadores pagaram 27 pessoas para que passassem várias horas por dia jogando Tetris, durante três dias. O objetivo foi verificar o impacto dessa ação no cérebro. Ocorreu que mesmo depois do experimento ter sido realizado, os alunos continuavam a enxergar no ambiente figuras geométricas similares aquelas contidas no Jogo Tétris. Por exemplo, olhavam para um prédio e começavam a enxergar retângulos e figuras geométricas, e a pensar como e onde poderiam “encaixar” os prédios.

Ou seja, o cérebro desses alunos foi condicionado a ver imagens retangulares, e demoraram a sair desse padrão. O autor Shawn Anchor propõe que podemos realizar a mesma estratégia focando na visão positiva. O desenvolvimento de uma visão positiva depende da nossa disponibilidade em treinar nosso cérebro a enxergar o positivo, mesmo nas adversidades. Assim, podemos realizar o Efeito Tétris positivo.

Treinar nossa mente para focar na percepção positiva dos eventos é uma missão da Psicologia Positiva. A nossa percepção dos acontecimentos pode ser transformada. Podemos nos treinar a ter uma visão otimista da realidade e assim gerar soluções criativas para os problemas.

Os estudos da Psicologia Positiva demonstram que uma mente treinada em focar nos aspectos positivos possui maiores estímulos para buscar alternativas e inovações para a solução dos problemas.

Para Anchor, a felicidade não vem com o sucesso, mas é o sucesso que gira em torno da felicidade. Ou seja, a medida que melhoramos nosso bem estar e buscamos melhorar nossos sentimentos de felicidade, desenvolvemos saúde e disposição para a criação de novos caminhos e novas alternativas de vida tanto pessoal quanto profissional.

Os estudos científicos (Lyubomirsky, S., Sheldon, K. M., & Schkade, D. ,2005) da Psicologia Positiva recomendam ações práticas para desenvolvermos e ampliarmos nosso bem estar, como por exemplo: Escrever 3 coisas que você é grato todos os dias; Fazer um diário sobre uma experiência positiva todos os dias; praticar exercícios físicos aeróbicos; meditar e praticar atos de bondade. Os estudos também sugerem que aumentar a felicidade através dessas atividades podem conduzir a múltiplos efeitos favoráveis à saúde, trabalho e relacionamentos (, Fredrickson, Cohn, Coffey, Pek, & Finkel, 2008).

Referencias

American Psychiatric Association. (1994). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (4th ed.). Washington, DC: Author.

Aspinwall, L. G., & Staudinger, U. M. (Eds.). (2003). A psychology of human strengths: Fundamental questions and future directions for a positive psychology. Washington, DC: American Psychological Association.

Beck, A. T., Ward, C. H., Mendelson, M. N., Mock, J., & Erbaugh, J. (1961). An inventory for measuring depression. Archives of General Psychiatry, 4, 561–571. Bok, S. (1995). Common values. Columbia: University of Missouri Press.

Brickman, P., & Campbell, D. T. (1971). Hedonic relativism and planning the good society. In M. H. Appley (Ed.), Adaptationlevel theory (pp. 287–305). New York: Academic Press.

Cameron, K. S., Dutton, J. E., & Quinn, R. E. (Eds.). (2003). Positive organizational scholarship: Foundations of a new discipline. San Francisco: Berrett-Koehler.

Dahlsgaard, K., Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (in press). Shared virtue: The convergence of valued human strengths across culture and history. Review of General Psychology.

Deci, E. L., & Ryan, R. M. (1985). Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum Press.

Easterbrook (2003). The progress paradox: How life gets better while people feel worse. New York: Random House.

Erikson, E. (1963). Childhood and society (2nd ed.). New York: Norton.

Erikson, E. (1982). The life cycle completed. New York: Norton.

Fordyce, M. W. (1977). Development of a program to increase personal happiness. Journal of Counseling Psychology, 24, 511–520.

Fordyce, M. W. (1983). A program to increase happiness: Further studies. Journal of Counseling Psychology, 30, 483–498.

Frank, J. (1973). Persuasion and healing: A comparative study of psychotherapy (2nd ed.). Baltimore: Johns Hopkins University Press.

Gardner, H., Csikszentmihalyi, M., & Damon, W. (2001). Good work: When excellence and ethics meet. New York: Basic Books

Gosling, S. D., Vazire, S., Srivastava, S., & John, O. P. (2004). Should we trust Webbased studies? A comparative analysis of six preconceptions about Internet questionnaires. American Psychologist, 59, 93–104.

Jahoda, M. (1958). Current concepts of positive mental health. New York: Basic Books.

Kahneman, D. (1999). Objective happiness. In D.

Kahneman, E. Diener, & N. Schwarz (Eds.), Well-being: The foundations of hedonic psychology (pp. 3–25). New York: Russell Sage Foundation.

Kahneman, D., Diener, E., & Schwarz, N. (Eds.). (1999). Well-being: The foundations of hedonic psychology. New York: Russell Sage Foundation.

Keyes, C. L. M., & Haidt, J. (Eds.). (2003). Flourishing: Positive psychology and the life well lived. Washington DC: American Psychological Association.

Linley, P. A., & Joseph, S. (Eds.). (2004). Positive psychology in practice. Hoboken, NJ: Wiley.

Lopez, S. J., & Snyder, C. R. (Eds.). (2004). Positive psychological assessment: A handbook of models and measures. Washington, DC: American Psychological Association.

Lykken, D., & Tellegen, A. (1996). Happiness is a stochastic phenomenon. Psychological Science, 7, 186–189.

Lyubomirsky, S., King, L. A., & Diener, E. (in press). The benefits and costs of frequent positive affect: Does happiness lead to success? Psychological Bulletin. Lyubomirsky, S., & Lepper, H. S. (1999). A measure of subjective happiness: Preliminary reliability and construct validation. Social Indicators Research, 46, 137–155.

Lyubomirsky, S., Sheldon, K. M., & Schkade, D. (in press). Pursuing happiness: The architecture of sustainable change. Review of General Psychology.

Maslow, A. H. (1954). Motivation and personality. New York: Harper & Row.

Maslow, A. H. (1962). Toward a psychology of being. Princeton, NJ: Van Nostrand.

Murray, C. (2003). Human accomplishment: The pursuit of excellence in the arts and sciences, 800 B. C. to 1950. New York: HarperCollins.

Ong, A. D., & van Dulmen, M. (Eds.). (in press). Handbook of methods in positive psychology. New York: Oxford University Press.

Park, N., & Peterson, C. (in press-a). Assess- ing strengths of character among adolescents: The development and validation of the Values in Action Inventory of Strengths for Youth. Journal of Adolescence.

Park, N., & Peterson, C. (in press-b). The cultivation of character strengths. In M. Ferrari & G. Poworowski (Eds.), Teaching for wisdom. Mahwah, NJ: Erlbaum.

Park, N., Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2004). Strengths of character and wellbeing. Journal of Social and Clinical Psychology, 23, 603–619.

ark, N.,

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2005a). Character strengths in forty nations and fifty states. Unpublished manuscript, University of Rhode Island. Park, N.,

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2005b). Strengths of character and wellbeing among youth. Unpublished manuscript, University of Rhode Island. Peterson, C., & Park, N. (2003). Positive psychology as the evenhanded positive psychologist views it. Psychological Inquiry, 14, 141–146.

Peterson, C., Park, N., & Seligman, M. E. P. (2005a). Assessment of character strengths. In G. P. Koocher, J. C. Norcross, & S. S. Hill III (Eds.), Psychologists’ desk reference (2nd ed., pp. 93–98). New York: Oxford University Press.

Peterson, C., Park, N., & Seligman, M. E. (2005b). Orientations to happiness and life satisfaction: The full life versus the empty life. Journal of Happiness Studies, 6, 25–41.

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2004). Character strengths and virtues: A handbook and classification. Washington, DC: American Psychological Association.

Prochaska, J. O., DiClemente, C., Velicer, W. F., & Rossi, J. S. (1993). Standardized, individualized, interactive, and personalized self-help programs for smoking cessation. Health Psychology, 12, 399–405.

Radloff, L. S. (1977). The CES-D Scale: A self-report depression scale for research in the general population. Applied Psychological Measurement, 1, 385–401.

Rogers, C. R. (1951). Client-centered therapy: Its current practice, implications, and theory. Boston: Houghton Mifflin.

Ryff, C. D., & Singer, B. (1996). Psychological well-being: Meaning, measurement, and implications for psychotherapy research. Psychotherapy and Psychosomatics, 65, 14–23.

Seligman, M. E. P. (2002). Authentic happiness. New York: Free Press.

Seligman, M. E. P., & Csikszentmihalyi, M. (Eds.). (2000). Positive psychology [Special issue] American Psychologist, 55(1).

Snyder, C. R., & Lopez, S. J. (Eds.). (2002). Handbook of positive psychology. New York: Oxford University Press.

Vaillant, G. E. (1977). Adaptation to life. Boston: Little, Brown.

Vaillant, G. E. (2000). Aging well. Boston: Little, Brown.

5 Passos para a realização de um Sonho!

 

 

Técnicas de Coaching – Como Lidar com Pensamentos Obsessivos

Técnica do livro : O Cérebro que se Transforma
Como Lidar com Pensamentos Obsessivos
Autor Norman Doidge
http://normandoidge.com/

Esse livro maravilhoso trabalha em cada capítulo, como que a neurociência tem estudado a neuroplasticidade do cérebro.

Ou seja, como que a neurociência cada vez mais compreende que o cérebro é um órgão plástico, que se altera durante toda a nossa vida.

A partir de 1998, as novas tecnologias, como a tomografia computadorizada, e outras técnicas de neuro imagem, permitiram aos neurocientistas descobrirem que não só a criança e o adolescente criam novas conexões cerebrais.

Mas também o adulto e o idoso podem criar novas conexões neurológicas.

Novos neurônios são criados até quando nós morrermos.
Então o nosso cérebro é um órgão vivo que pode ser treinado para se transformar cada vez mais.

E nesse livro, o autor Doidge, oferece uma série de dicas interessantes para você que é coach, você que é psicólogo, psiquiatra e profissional da saúde.

Vale a pena estar lendo, e estudando esse livro.

Uma técnica que ele coloca é a técnica de você trabalhar com o pensamento obsessivo compulsivo.

É claro que o coach muitas vezes não vai trabalhar com as psicopatologias como uma neurose obsessiva compulsiva, mas nós como seres humanos independentemente de termos uma neurose obsessiva compulsiva, o famoso TOC, nós temos também pensamentos que muitas vezes nos atrapalham.

E no processo de coaching, e na nossa vida como um todo, é fundamental você lidar com os pensamentos negativos, ou destrutivos de uma forma mais construtiva, e mais produtiva.

A ideia que ele coloca é muito simples, ou seja, os experimentos mostram que o cérebro pode se transformar desde que você invista em treinamentos de maior duração.

Então o que ele propõe é que uma vez você tendo um pensamento automático obsessivo muitas vezes que te atrapalha como o voltar para casa várias vezes para verificar se desligou o gás do fogão, ou se trancou bem as portas, ou se você trancou determinada região bem trancada.

Muitas pessoas sofrem desse mal. Ele relata um caso de uma artista que tinha ficado cega, e também mantinha o pensamento recorrente compulsivo de realmente voltar em casa e checar várias vezes se tinha trancado as janelas e as portas.

E aí ela já tinha feito vários tratamentos, e é claro os tratamentos psicoterápicos e medicamentosos também ajudam muito, mas ela pediu ao autor um auxílio, e ele deu a seguinte dica: para você que tem esses pensamentos repetitivos , que muitas vezes te incomodam, ou você tem alguma pessoa na família ou cliente que tem esse tipo pensamento compulsivo.

Você vai treina-lo a imaginar uma situação prazerosa que ele já viveu.

Por exemplo uma viagem, ou uma situação de experiência de muita alegria.

Peça para a pessoa se concentrar nessas imagens mais positivas, em imagens mais saudáveis. Ele não vai tentar sair ou tirar o pensamento compulsivo fora do seu foco.

Ele simplesmente vai acrescentar essa nova experiência, essa nova perspectiva mais de experiência agradável e positiva durante uns 30 minutos ele vai se esforçar para ficar focado nessa experiência.

Os resultados mostram que realmente se você treina alguém nessa técnica durante vários dias, durante várias semanas, o cérebro vai construindo novas conexões neurológicas, novas ligações e a ideia é que ao longo do tempo, essa nova configuração vai tomando conta do seu cérebro e diminuindo os pensamentos compulsivos, as ações e comportamentos compulsivos e obsessivos também.

Então é uma dica bem interessante porque a ideia é que quando dois neurônios se conectam numa mesma direção eles ligam entre si. Isso faz com que essa nova ação fique cada vez mais fortalecida.

E o contrário também, quando eles não se conectam quando são disparados, eles se separam.

Então a ideia é que você vai separar o pensamento obsessivo compulsivo daquela nova ideia gerada de prazer, daquela associação que você fez com uma viagem, ou filme e com um abraço amoroso, um carinho, ou até uma experiência de uma alimentação gostosa que você fez com alguém da sua família, um amigo, ou namorado, esposa ou filhos.

Por favor, compartilhe esse vídeo,
e assine meu canal. www.youtube.com.br/paulom500.

Autor: Paulo Antônio Almeida
coachpauloantonioalmeida@gmail.com
31 999610253
Assine Meu Canal

O QUE O CURSO DE COACHING MUDOU NA MINHA VIDA?

 

Curso Coaching e Inovação – PucMinas Prof. Paulo Antônio Almeida MSc.

IMG_5117 IMG_8406

O QUE O CURSO DE COACHING MUDOU NA MINHA VIDA?

Claudio Góis

Claudio

Quando eu disse que faria o CURSO DE COACHING e INOVAÇÃO PUCMINAS – para alguns amigos, eles me disseram: “Porque você vai fazer este curso, pois você já nasceu coach!” Ledo engano, eu não tinha a mínima noção do que me esperava.  O que era coaching?  Vi que é uma tremenda responsabilidade para com o outro. Onde somos responsáveis por trabalhar no infinitivo, incentivar, resgatar, orientar, instigar o melhor de uma pessoa.

pucminas

E sabendo como podemos ajudar uma pessoa, vi que era eu , estava sendo ajudado. Vi e percebi que toda a pessoa tem problema e não existem super-heróis. A diferença é como lidamos com nossas frustações. Como encaramos as situações fáceis ou difíceis.

Depois do curso, estou sentindo um pouco mais preparado para lidar com os momentos que surgirem, pois posso separar o problema de mim. Eu não sou o problema, consigo vê-lo de fora. E a partir desta percepção, as situações ficaram mais fáceis. Antes o problema de uma pessoa tornava o meu problema. Chegava a sentir o que a pessoa sentia, por exemplo, dor de cabeça e até unha encravada. Só vendo pra acreditar!!!

Estou muito satisfeito com as metodologias e ferramentas aprendidas. Temos que continuar estudando para desenvolvê-las.  A metodologia MINDFULNESS, que me tranquiliza.

atencao-plena-capa-web.jpg.200x300_q85_upscale

Ser EMPÁTICO com uma pessoa é fantástico, abre portas que antes eram intransponíveis. A RODA DA VIDA nos direciona o que devemos abordar. O ENEAGRAMA, achei muito interessante estou estudando para conhecer melhor.

eneagrama

RH PROFILER, parece que me conhecia! Muito bom! Deixa a gente mal-acostumado, pois é muito assertivo.

rh5

O poder das PERGUNTAS CERTAS, é muito importante para um entendimento de reflexão e descoberta de VALORES.

perguntas.jpg

Com certeza, posso afirmar que sou uma pessoa diferente da pessoa que começou o curso há dois meses. Sou um ser humano melhor! Podemos melhorar a cada dia, depende de nós mesmos. Deixai sua luz brilhar!

“Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos Céus” (Mt 5:16) 

 Te AGRADEÇO, Paulo, por ter me apresentado o que é ser Coaching! Tenho um carinho especial com você.  Ho’oponopono: “sinto muito, Me perdoa, Te amo e Sou grato”.

ho_oponopono2copy1-1030x662 (1).jpg

Cláudio Góis

Diretor EMC

https://www.emc.com.br/

 

Belo Horizonte, 10 de julho de 2017.

2 casos e 4 dicas práticas de Gestão de Conflitos e Técnicas de Negociação

Autor: Prof. Paulo Antônio Almeida

“…um negociador experiente sabe que a negociação não se encerra quando o acordo foi firmado, mas sim quando ele foi devidamente implementado…”

valor

As metodologias, ferramentas e técnicas para a gestão de conflitos e negociação nos ajudam a desenvolver as habilidades necessárias para lidar com as situações tanto na vida pessoal quanto profissional.

É importante desenvolvermos a crença de que os conflitos estão presentes em nossa sociedade, e podem impulsionar a criatividade para gerar novos negócios e novas atitudes, transformando hábitos e gerando melhor qualidade de vida.

#1. O primeiro passo para uma boa gestão de conflitos e negociação é :

desenvolver o auto conhecimento. O conceito de Inteligência Emocional (Goleman, 1995) confirmou cientificamente a influência das emoções em nosso comportamento. De acordo com o autor Goleman, amor, raiva, medo e tristeza são emoções básicas dos seres humanos, sendo a raiz das demais como inveja, ciúme, alívio, contentamento, paixão, culpa e tantas outras.

#2. Um exemplo prático:

mesquita azul

Os turcos são reconhecidos como excelentes negociadores. Na cidade de Istambul, existe o Gran Bazar, que é um grande mercado para comercialização de mercadorias como tapetes, joias, alimentos dentre outros. O processo de negociação na Turquia envolve em primeiro lugar a alegria e empatia em relação ao cliente. Os vendedores turcos são altamente alegres, receptivos, elogiam frequentemente o comprador, estabelecendo assim, uma relação de intimidade, e aplicando a inteligência emocional através da empatia (colocar-se no lugar do outro). Os brasileiros em Istambul são reconhecidos como sendo do país do futebol, e os turcos adoram o futebol brasileiro. Esse é um dos ganchos para se aproximar do cliente.

Em seguida começam a apresentar seu produto, como por exemplo, um tapete. Valorizam a qualidade do tecido, da fabricação, das cores, do tamanho, e tentam convencer o cliente que o seu produto é uma oferta irrecusável. A paixão demonstrada na oferta do seu produto é um bom exemplo de inteligência emocional e capacidade de persuasão. Uma vez que o cliente esteja seduzido pela oferta, o vendedor turco começa a demonstrar seus tapetes de forma volumosa, ou seja, o vendedor turco inicia o processo de negociação tirando grandes volumes de tapetes da prateleira, colocando-os no chão para serem apreciados pelo cliente. O vendedor turco acredita que o cliente irá comprar, e não mede esforços para colocar no chão grandes quantidades de tapetes para serem apreciados.

Após a demonstração do seu produto de forma apaixonada, o vendedor turco apresenta o maior preço do produto, esperando a contraproposta do cliente. Um tapete de tamanho pequeno pode começar a ser vendido por R$ 300,00 e chegar até a R$80,00 dependendo da flexibilidade do vendedor e da determinação do cliente em ofertar um menor lance.

Uma vez fechada a compra, o vendedor turco abre uma nova venda de um produto de menor valor para ainda aproveitar o bom relacionamento estabelecido. E mais uma vez encanta o cliente com um atendimento personalizado, e com a demonstração de um outro produto de menor valor, como um cashmere que chega a parecer um brinde pela compra como um todo.

#3 . Ensinamentos:

empatia

Esse exemplo prático, nos ensina muitas técnicas de negociação, como por exemplo: inteligência emocional, empatia, estabelecimento de um relacionamento amigável, apresentação da sua proposta com paixão, flexibilidade na apresentação dos preços, mostrar  preço mais alto para depois ir fazendo concessões gradativas, e por fim fechar o processo com abertura para outros negócios.

#4. O autor Simon, ganhador do Prêmio Nobel, declara :

simon

que as decisões devem ser satisfatórias, mas não “ótimas”; pois temos a impossibilidade material de obter todas as informações, dados os problemas de tempo e de custo; Limitação do ser humano em ter acesso e processar cognitivamente todas as opções; pressões afetivas, culturais e jogos de poder influenciam o conteúdo das decisões; as alternativas e as consequências são descobertas gradualmente, por meio de processos de busca. Nesse sentido, precisamos ter a noção que nossa decisão em uma negociação ou conflito é a mais satisfatória para o momento específico, pois não haverá uma tomada de decisão perfeita

 

#5. O autor Uri no livro Como Chegar ao SIM!, indica quatro aspectos fundamentais na gestão de conflittos:

URI sim

1.Separe as PESSOAS do Problema 2.Concentre-se nos INTERESSES, não nas POSIÇÕES 3. Crie OPÇÕES de ganhos mútuos 4 Insista em CRITÉRIOS OBJETIVOS .

#6.Uma história que ilustra bem esses princípios é a seguinte:

suco_laranja

 

duas irmãs brigavam por uma laranja, sem chegar num acordo com quem ficaria a laranja inteira. Então resolveram dividi-la ao meio. Ficando cada uma com sua metade. Após a divisão, começaram a conversar e perceberam que uma das irmãs queria a laranja para fazer um suco, e a outra queria a casca da laranja para fazer um bolo. Ou seja, se tivesse separado o problema das pessoas, focado nos interesses, criassem opções de ganhos mútuos e tivessem discutido de forma objetiva. Ambas poderiam ter saído do conflito e da negociação com a laranja inteira

 

#7. Para concluir,

 

precisamos ampliar nosso vocabulário com frases que nos ajudam em um processo de gestão de conflitos e negociação, como por exemplo: Por favor, corrija-me se eu estiver errado… Nossa preocupação é com a justiça. Gostaríamos de resolver isso não com base no interesse pessoal e no poder, mas sim nos princípios. O valor principal é que todos saiam ganhando em uma negociação.

 

Autor: Prof. Paulo Antônio Almeida

31 999610253/ coachpauloantonioalmeida@gmail.com

Psicólogo com graduação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1989).

Pós graduação em Gestão de Políticas Públicas pela UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto).

Mestre em Administração pela Fundação João Pinheiro

Palestra Gratuita Coaching e Inovação

 

Palestra Gratuita (1)

Inscrição

Coaching e Inovação – Praça da Liberdade
Nome do Evento:
Data Evento:

Local do Evento:
Endereço do Evento:

Palestra de Apresentação do Curso
28/03/2017 20:00:00
IEC PUC Minas na Praça da Liberdade
R. Cláudio Manoel, 1.205 – Auditório

Link para inscrição:
http://www.pucminas.br/Pos-Graduacao/IEC/Cursos/Paginas/Coaching-e-Inovacao-Pra%C3%A7a%20da%20Liberdade.aspx

Paulo Antônio Alves de Almeida,M.Sc.
31 999610253
coachpauloantonioalmeida@gmail.com
Psicólogo com graduação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1989).
Pós graduação em Gestão de Políticas Públicas pela UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto).
Mestre em Administração pela Fundação João Pinheiro

Fundador do MBA em Coaching – Life, Business and Executive Coaching –
Coordenador do Curso Coaching e Inovação – PUCMINAS

Coaching e Neurociência

#1 – NOVAS DESCOBERTAS

Fonte: Neurocientista Suzana Herculano

– http://www.suzanaherculanohouzel.com/

 https://www.youtube.com/watch?v=-WpVs5o6EMY

 

Desde 98, a neurociência descobriu que  o cérebro humano é capaz de ganhar neurônios novos . O hipocampo adulto ganha neurônios ao longo da vida.

 

O papel do hipocampo no papel do estresse crônico (cortisol) . O cortisol entra no hipocampo e freia o estresse.

O excesso de cortisol é prejudicial e leva os neurônios a morte. Perder os neurônios do hipocampo você perde a resposta ao stresse.

 

Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462003000600011

 

Artigo : Estresse, depressão e hipocampo – Autores : Sâmia Regiane L Joca; Cláudia Maria Padovan; Francisco Silveira Guimarães

 

“Estudos neuroquímicos e eletrofisiológicos mostram que o processo de neurogênese no hipocampo gera neurônios funcionais e integrados aos circuitos hipocampais.

Eles poderiam repor a perda de outros neurônios, conferindo maior plasticidade ao hipocampo.

Os novos neurônios são mais susceptíveis a sofrerem potencialização de longa duração no hipocampo (LTP), um fenômeno relacionado ao aprendizado e à memória.

O aprendizado de novas tarefas facilita a neurogênese enquanto seu bloqueio prejudica o aprendizado em tarefas que dependem do hipocampo.

Portanto, estas novas células poderiam estar envolvidas no processamento de tarefas cognitivas.

 http://revistapegn.globo.com/Negocios/noticia/2017/01/estudos-mostram-que-cerebro-ganha-novos-neuronios-mesmo-na-fase-adulta.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=post

Situações de estresse poderiam, por inibir a neurogênese, prejudicar a aquisição e consolidação de respostas adaptativas que facilitariam o desempenho frente a estressores subseqüentes.” Joca at all. (2003)

 

#2 – O que é capaz de fazer aumentar os neurônios do hipocampo em adultos?

 

  1. A atividade física é capaz de aumentar os neurônios do hipocampo; Atividade física de alto impacto; Atividade física prazerosa – que você goste

  2. O exercício físico é importante porque é uma maneira natural de manter o freio forte do hipocampo – neurogênese saudável. O exercício físico é uma proteção contra os males do estresse crônico

 

 

corrida

 

 

2. Antidepressivos aumentam a neurogenese no hipocampo e levam duas semanas para ter efeito de fato; Os tratamentos de antidepressivos e até o eletrochoque tem esse efeito de aumentar a geração de neurônios novos no hipocampo.

Antidepressivos, por aumentarem as neurotransmissões serotoninérgicas e/ou noradrenérgicas, atuariam prevenindo ou revertendo esses processo de  desenvolvimento da depressão (Joca at all, 2003)

antidepressivos

 

 

 

3. A atitude positiva e o controle positivo reduz a percepção do estresse , permite seu maior controle.

 

atitude_positiva

 

 

 

4.A importância que o carinho tem como resposta a redução do estresse . O carinho funciona como tratamento e como profilaxia.

O nosso sistema nervoso possui nervos especializados em detectar carinho.

Carinho é um estimulo de uma parte grande do corpo com uma determinada pressão e movimento lento.

Nós temos nervos e fibras na pele especializados em apenas respondem a este tipo de toque que é o toque social.

E a resposta a este tipo de toque é a ativação daquela região do córtex da insula que representa o estado do corpo da gente.

Sensações positivas criadas com esse tipo de toque nessa região da insula é capaz de influenciar tanto o hipotálamo que produz a resposta ao estresse como o hipocampo que funciona como aquela agenda de problemas para você resolver.

Em adultos o carinho é capaz de reduzir drasticamente a resposta ao estresse.

Reduz a produção do hormônio cortisol responsável pelo estresse. Asmas, infecção por HIV, depressão .. tudo isso responde de maneira positiva à terapia por massagem.

Receber carinho também leva à produção de oscitocina que tem ações pro sociais que reduz a atividade da amigdala e faz a gente baixar a guarda e aceitar interagir com outras pessoas.

 

carinho

Prof.Paulo Antônio Alves de Almeida

pauloalmeida@marketing500.com.br – 31 999610253

instagram – @coachpauloalmeida

facebook.com/pauloantonioalmeidaMS

twiitter.com/psipauloalmeida